segunda-feira, março 3

Escravo


Declaro-me escravo entre teus lábios,
Sensuais carmins que agitam o meu desejo
Esses que tatuam a alma,
O coração e até os versos.
Declaro-me escravo do teu aroma, vento e brisa,
Que me atravessa roubando-me os sabores acros do passado.
Declaro-me escravo do teu tempo,
Da tua noite, da nossa cama
Da nossa pele mesclada, da lua, do desejo
Dos corpos desnudos…atados
Declaro-me escravo do teu sorriso
Da tua perfeita graça…inesgotável,
Rios de alegria que serpenteiam as nossas almas,
Que purificam e refrescam a sede deste amor.

3 Comments:

Blogger ines said...

que sorte que tem em ser tão bem amado!

b&a

21:32  
Blogger su said...

E de escrava a tua alma passa a dona
Feroz detentora da bandeira do meu coração
Sendo que as suas cores são aquelas que baptizam o teu nome
Com o fluído do amor.
As palavras secretas que murmuramos
Correntes acesas no fogo que nos alimenta
De cinzas em matéria, de matéria em cinzas
E assim sucessivamente
A alma nasce e renasce
Do corpo ao espírito
Do beijo à palavra
Desfolho as letras que me deixas
Com o prazer de uma Eva que nunca abandonou o Éden proibido
A sede que nunca se sacia
É minha e é a tua...
A água está em nós.
Bebo da tua alma
E tu bebes da minha.
Assim se conhece a eternidade...

Beijo em espiral...

21:02  
Blogger Arya Bodhisattva said...

Sempre criativo!
(^^)d

10:51  

Enviar um comentário

<< Home