sábado, maio 19

Lobo


Tão pagão
Tão telúrico
O eco do teu corpo
Tocando no meu
Assim desarmado
Encostado ao teu peito
Desembarco na tua pele
Penetro a minha língua na tua boca
E o brilho dos teus olhos
Hipnotizam a minha alma
Dilatando a trajectória do orgasmo
Colocando no céu nocturno
A lua Mais branca, brilhante e cheia
Aquela que me transformou em lobo
Para possuir fome eterna que tenho de ti.

2 Comments:

Anonymous Mel de Carvalho said...

Belo esse estado animal.
Um abraço, meu saudoso amigo.

Faça favor de ir à minha noite que lá está algo que dediquei aos meus amigos (o penúltimo post). Tb é teu....

Um abraço da Mel

10:51  
Anonymous Anónimo said...

Tão antigo o som das palavras
Como espelhos ardentes de desejos
Que se consomem em labirintos eternos
Ao sabor da tua pele
Onde a vontade é de percorrer os seus caminhos
Sem nunca querer chegar
Os passos que se deixam
Como mapa dos dias nos teus beijos
Acumulam-se na espiral que se transforma
Na teia que te acolhe e abraça
Não só no dia de hoje como no dia que acorda amanhã.
Adormecem os sonhos ao cuidado dos teus braços
Eternizados na coincidência das nossas almas
Que batem sonoramente com o mesmo coração.
A Lua recorta-se entre nós
Como a luz que abençoa para longe as sombras à nossa volta:
Fogo-fátuo desta vida
Caímos em todas as outras
Como seres unidos pela mesma espécie
A do AMOR.

20:47  

Enviar um comentário

<< Home